Emergências

Jovens refugiados Rohingya estão a ajudar a tornar verde o maior campo do mundo

Partilhar 
Facebook iconTwitter iconCompártelo por email
Sex, 01/20/2023

Grupos de jovens estão a defender esforços para tornar mais verdes os campos de refugiados no Bangladesh e para sensibilizar as pessoas para os impactos da crise climática.

Samia, 14 anos, é uma jovem voluntária ambiental. Ela e outros membros do seu grupo estão a trabalhar para educar a sua comunidade sobre a conservação da vida selvagem que vagueia para o campo de refugiados a partir da floresta circundante. © UNHCR/Kamrul Hasan

Samia passou cinco dos seus 14 anos a viver em Kutupalong - o maior e mais densamente povoado campo de refugiados do mundo.

O campo foi esculpido na floresta no sul do Bangladesh em 2017 para abrigar centenas de milhares de refugiados Rohingya fugidos da violência no Estado de Rakhine, no oeste de Mianmar. Cerca de um milhão de pessoas estão agora amontoadas numa área de apenas 17 quilómetros quadrados. Os abrigos de bambu enchem as encostas e as estradas estreitas estão repletas de peões, riquexós, veículos humanitários e comerciantes. Não é de admirar que Samia olhe para o céu em busca de uma sensação de paz.

"Quando vejo um bando de aves a voar nas proximidades, sinto-me bem", diz ela. "Gosto do som dos pássaros".

Depois de chegar ao Bangladesh, após uma traumática viagem desde o Myanmar, Samia ficou consternada ao ver a floresta a ser destruída à medida que as árvores eram desbravadas para dar lugar a abrigos.

"Quando cheguei aqui, vi pessoas a matar animais selvagens que entravam nos campos. Eles cortaram as árvores e deitaram-nas fora para cultivar a terra. E as pessoas costumavam deitar lixo para todo o lado".

Graças, em parte, aos seus esforços e aos de outros jovens refugiados Rohingya em Kutupalong, as atitudes em relação à vida selvagem e à floresta circundante estão a começar a mudar, - ver vídeo aqui (disponível apenas em inglês).

Os membros de um dos grupos de jovens utilizam cartazes para explicar aos outros refugiados como eliminar adequadamente os seus resíduos. © UNHCR/Kamrul Hasan

Samia pertence a um dos cinco grupos de jovens nos campos que, juntamente com cinco grupos semelhantes na comunidade de acolhimento circundante, receberam formação sobre questões ambientais do ACNUR e da sua organização parceira, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN). Aprenderam sobre as ligações entre a destruição de árvores e vegetação e a crise climática que cada vez mais afeta a sua vida quotidiana.

"As alterações climáticas significam que está demasiado quente durante o verão e demasiado chuvoso durante as monções", diz Samia. "Vi com os meus próprios olhos abrigos a serem destruídos por deslizamentos de terras e pessoas a serem feridas"

No ano passado, foi pedido aos grupos de jovens que identificassem as questões ambientais que afetam a sua secção do campo e que apresentassem as suas próprias soluções para elas. Samia aproveitou a oportunidade para educar a sua família, amigos e vizinhos sobre a importância de proteger as árvores e a vida selvagem que vagueia pelo acampamento. Ela e o resto do seu grupo organizam sessões de sensibilização com crianças, adultos e líderes locais como os imãs.

"Digo-lhes: 'Se deixarem as árvores crescer, terão sombras e sentar-se-ão pacificamente debaixo delas'. Digo-lhes para não matarem os animais porque eles nos beneficiam".

O Bangladesh do Sul é extremamente vulnerável aos impactos das alterações climáticas. Os abrigos improvisados dos refugiados, muitos deles construídos em encostas desflorestadas e instáveis, proporcionam pouca defesa contra tempestades tropicais de intensidade crescente. Só no ano passado, inundações e deslizamentos de terras forçaram cerca de 24.000 refugiados a abandonar as suas casas e pertences, e 10 refugiados morreram durante as fortes chuvas das monções.

"Estamos a assistir diariamente às alterações climáticas", diz Mohammed Rofique, 18 anos, que pertence a outro grupo de jovens. "Mas os grandes países não o estão a ver; são eles que precisam de estar atentos". Eles precisam de parar de cortar árvores. Aqui, estamos a tentar salvar as nossas árvores e salvar a natureza".

O grupo de Rofique está a tentar melhorar a gestão de resíduos e a escassez de contentores na sua parte do campo, para reduzir a poluição e o entupimento de esgotos e canais.

Os jovens membros do grupo fizeram contentores de lixo de bambu e colocaram-nos à volta do campo. © UNHCR/Kamrul Hasan

"As pessoas costumavam atirar o seu lixo para todo o lado. Cheirava muito mal, e era inseguro para as crianças", diz ele. "O lixo costumava bloquear os cursos de água, por isso, quando chovia, inundava e espalhava lixo em redor do acampamento".

Para além de fazer e distribuir caixotes de lixo feitos de bambu, o grupo plantou jardins em áreas abertas onde as pessoas costumavam deitar o seu lixo.

Além dos benefícios ambientais óbvios, Ehsanul Hoque, que trabalha com a unidade ambiental do ACNUR, salienta que os grupos de jovens estão a equipar os jovens nos campos com capacidades de resolução de problemas e liderança, e a dar-lhes um sentido de propósito num local onde há muito poucas oportunidades de acesso ao ensino superior ou a meios de subsistência. "Estamos a dar-lhes a conhecer que eles podem [fazer a diferença]. Podem falar com a sua família, com o seu vizinho, podem começar por si próprios".

O ACNUR trabalha com parceiros e voluntários refugiados para restaurar o ecossistema, plantando milhares de árvores, arbustos e gramíneas, restaurando os cursos de água, e distribuindo Gás de Petróleo Liquefeito (GPL) a todas as famílias como alternativa à lenha.

Samia diz ter convencido os seus irmãos mais novos a deixarem de atirar pedras aos pássaros e que outros refugiados estão recetivos às mensagens do grupo sobre a proteção do ambiente.

"Algumas pessoas não nos querem ouvir, mas eu acredito verdadeiramente que, gradualmente, o seu ponto de vista irá mudar", diz ela. "No final do dia, sinto-me bem a pensar que aumentei a consciência na minha comunidade".

Apoia os esforços da Samia e do Rofique:

 

Notícias