Emergências

Refugiados ucranianos aliviam o stress com cão de apoio chamado Noir

Partilhar 
Facebook iconTwitter iconCompártelo por email
Seg, 01/23/2023

Preocupadas com a guerra em casa, crianças refugiadas ucranianas na Hungria estão a encontrar novas maneiras de manter a sua saúde mental.

As refugiadas ucranianas Maria (à direita) e Yuliya participam numa sessão de terapia canina em novembro no Budapest Helps! Info and Community Center, Hungria. © ACNUR/Zsolt Balla

Maria, de nove anos, ficou desolada ao ter que abandonar o seu amado cão Sharik quando a sua família fugiu da guerra na Ucrânia. Agora, num centro comunitário na capital húngara, Budapeste, Maria e outras crianças refugiadas ucranianas podem participar numa divertida sessão de terapia com um cão de apoio emocional chamado Noir.

Maria tem necessidades especiais e dificuldades de fala, mas a alegria no seu rosto dispensa palavras ao acariciar o gentil Border Collie preto.

“Noir é especialmente treinado para acalmar as crianças”, diz a treinadora de cães Tímea Ádány, da organização local liderada por refugiados Next Step. A terapia animal está entre as várias atividades relaxantes oferecidas no Budapest Helps! Info and Community Centre, uma parceria entre o município de Budapeste, o ACNUR e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

“Estar com o Noir é tão bom para Maria”, diz a sua mãe Liudmyla, que veio para a Hungria em agosto com as suas duas filhas da região central ucraniana de Vinnytsia. “Nunca pensamos que viveríamos para ver esta guerra. Estamos a tentar aguentar aqui. Não é fácil."

À medida que a guerra avança para o seu décimo segundo mês, os psicoterapeutas estão preocupados com a saúde mental e o bem-estar dos refugiados, muitas vezes separados de seus entes queridos, às vezes enlutados e todos a enfrentar um futuro incerto.

Terapeutas da Fundação Cordelia, organização não governamental e parceira do ACNUR que oferece apoio mental e social a vítimas de traumas, têm visitado abrigos de todo o país e já ajudaram mais de 400 refugiados, com vários graus de depressão ou ansiedade.

“No começo, não nos encontrávamos com as pessoas que realmente vinham da linha de frente. Na altura, o trauma deles era principalmente a ameaça de perigo. À medida que a guerra avançava, mais e mais pessoas chegavam de regiões de combate real e os seus relatos eram impressionantes – perda de familiares, amigos, trauma físico maciço, viviam em constante insegurança e medo existencial”, diz a psiquiatra Dra. Lilla Hárdi, diretora médica da Fundação Cordelia.

Os tratamentos recomendados incluem terapia individual ou em grupo, bem como atividades criativas e físicas.

Um Border Collie preto chamado Noir é o foco de atenção numa sessão de terapia de grupo para crianças refugiadas ucranianas. © ACNUR/Zsolt Balla

Desde os primeiros dias da guerra, a Hungria abriu as suas fronteiras para centenas de milhares de refugiados da Ucrânia e agora há mais de 32.000 ucranianos que solicitaram o Estatuto de Proteção Temporária, que lhes permite permanecer por mais tempo. O ACNUR respondeu com ajuda de emergência para o inverno, além de aumentar as informações e o encaminhamento para serviços essenciais, como assistência médica e assistência jurídica.

Na Hungria, o ACNUR está a trabalhar com parceiros para fornecer apoios para além do material, incluindo formas de ajudar a curar o trauma dos refugiados. O Budapest Helps! Info and Community Centre é visitado por cerca de 200 pessoas por semana, com cada vez mais interessados à medida que mais opções são disponibilizadas, desde uma creche, aulas de idiomas, ioga e até um coro ucraniano.

A coordenadora para o ACNUR é Yulia Morozova, que foi organizadora de eventos na região de Dnipro, na Ucrânia, antes de vir para Budapeste em março como refugiada.

“Assim que uma pessoa tem um teto sobre a sua cabeça, ela quer elevar-se a um nível mais alto de autorrealização”, diz ela. “É bom que nós, ucranianos, possamos organizar-nos e unir-nos, manter as nossas raízes, falar a nossa própria língua, e encontrar novos amigos e apoio mútuo.”

De volta à sala com o cão de apoio Noir, a atmosfera mudou de calma para uma emocionante excitação. Assim que as crianças se habituam a Noir, a tratadora Tímea incentiva-as a brincar com o cão especialmente treinado, incentivando-o a fazer truques em troca de biscoitos.

Os pais observam, aliviados por verem os filhos felizes pela primeira vez em muito tempo. Margarita, de Odesa, observa sua filha Yulia, 11 anos, a correr com Noir, a rir.

“É engraçado”, diz Margarita. “Na verdade, somos pessoas de gatos: trouxemos dois gatos connosco da Ucrânia. Mas desde que viemos para Budapeste, Yulia está sempre a dizer que quer um cachorro. Talvez seja porque ainda não tem amigos aqui. Parece que vamos ter um cão agora!”

 

Notícias