Emergência

Emergência na Ucrânia

Mais de 14 milhões de pessoas fugiram das suas casas.
Emergência Ucrânia

O maior êxodo na Europa depois da Segunda Guerra

Milhões de pessoas fugiram da Ucrânia devido à rápida deterioração da situação e às ações militares no país. Mais de 7 milhões de pessoas estão deslocadas dentro da Ucrânia. No total, mais de 14 milhões de pessoas fugiram das suas casas nesta emergência humanitária, desde 24 de fevereiro de 2022. Este é o maior movimento de refugiados, em 75 anos, na Europa. A situação é cada vez mais instável, delicada e imprevisível. O número de pessoas em fuga está a aumentar a cada minuto. O ACNUR está no terreno a prestar assistência e materiais de emergência.

 

O trauma da fuga

A maioria dos refugiados da Ucrânia são mulheres, crianças e pessoas mais velhas. Muitos chegam traumatizados às fronteiras de países vizinhos. Alguns tiveram de deixar as suas casas com pouca ou nenhuma bagagem, deixando todos os seus pertences para trás. Olga, 36 anos, residente em Kiev, encontrou segurança na Polónia três dias após ter fugido da capital ucraniana com o seu filho, de dois anos, e a sua filha, de oito anos. "Este é o nosso terceiro dia na estrada", diz ela, após uma viagem que normalmente teria demorado sete horas. "Fugimos assim que as primeiras bombas caíram", acrescenta ela.

Alguns dias antes, numa estação ferroviária na cidade ucraniana de Makiivka, milhares de evacuados tentavam embarcar num comboio para escapar às hostilidades.

No mesmo dia em que a ofensiva militar começou, temendo um ataque russo à capital, muitas famílias em Kiev procuraram refúgio em túneis subterrâneos. Quem tinha carro, fugiu da cidade pela estrada.

 

Números atualizados a 16 de setembro

+7.2 milhões
de refugiados ucranianos registados em toda a Europa.
+4 milhões
de refugiados registados para Proteção Temporária ou sistemas nacionais de proteção semelhantes na Europa.
+6.9 milhões
de pessoas deslocadas internamente.
 
 

Resposta do ACNUR

O ACNUR está a coordenar o acolhimento de refugiados nos países vizinhos e, juntamente com outras agências da ONU e ONG parceiras, está a apoiar as autoridades nacionais na resposta à emergência.

Os trabalhadores do ACNUR estão também a prestar assistência aos deslocados na Ucrânia, onde a situação é extremamente volátil e arriscada.

Apesar dos enormes desafios logísticos e de segurança, o ACNUR está a prestar ajuda humanitária e já apoiou, com parceiros, 2.1 milhões de pessoas (16 de setembro):

  • 815,401 pessoas apoiadas com alimentos e artigos não alimentares essenciais, vestuário de inverno e material de abrigo;
  • 713,058 pessoas receberam assistência de proteção, aconselhamento e encaminhamento nos pontos de passagem de fronteira, em trânsito e centros de receção e através de linhas diretas;
  • 559,248 receberam o seu primeiro pagamento da assistência monetária;
  • 154,992 pessoas receberam assistência através de camiões humanitários que chegaram a áreas severamente atingidas;
  • 106,297 espaços para dormir criados e feitas melhorias em 387 centros de receção e centros coletivos.
 
" Conheci muitas crianças refugiadas ucranianas na República Checa: é bom saber que - graças aos seus anfitriões - estão seguras e protegidas, mas não se pode deixar de pensar em todas as crianças ucranianas cujas vidas estão em risco todos os dias, nas suas cidades, cercadas e bombardeadas, na sua pátria.”
Filippo Grandi, Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados.