Programa vantajoso para ambas as partes liga refugiados qualificados da Jordânia a empresas estrangeiras Programa vantajoso para ambas as partes liga refugiados qualificados da Jordânia a empresas estrangeiras

Programa vantajoso para ambas as partes liga refugiados qualificados da Jordânia a empresas estrangeiras

3 de janeiro, 2024

Tempo de leitura: 5 minutos

Compartilhar

O programa Talent Beyond Boundaries juntou 1.200 refugiados a oportunidades de trabalho no estrangeiro e planeia juntar pelo menos mais 15.000 a empregos nos próximos cinco anos.

A carpintaria é uma tradição na família de Ziad Al-Shayeb. É a fonte das suas melhores recordações e das suas maiores aspirações.

"As crianças sírias acompanham os pais no trabalho; por vezes, dominam a sua profissão desde a infância. Quando eu era jovem, na escola ou durante as férias de verão, ia com o meu pai e praticava a profissão com ele", explica Ziad. "Ele estava sempre a recomendar que o meu trabalho refletisse uma excelente imagem de mim próprio para as pessoas".

Quando, ainda jovem, foi obrigado a fugir da violência na Síria, perdeu a oportunidade de exercer a carpintaria como profissão a tempo inteiro. Durante os 12 anos que Ziad, de 31 anos, viveu na vizinha Jordânia, sustentou a sua família através de trabalhos diários e sazonais e teve poucas oportunidades de continuar a exercer o ofício que lhe é tão querido.

A Jordânia, que acolhe cerca de 650.000 refugiados sírios, tem demonstrado uma enorme generosidade desde o início da crise síria em 2011. O país tem apoiado os refugiados dentro e fora dos campos, comprometendo-se com uma série de programas socioeconómicos que têm ajudado a apoiar a educação, o emprego e outras necessidades críticas. Desde 2016, o governo jordano tem trabalhado com organizações internacionais para melhorar as oportunidades de subsistência tanto para os refugiados como para as comunidades de acolhimento: o chamado Pacto da Jordânia facilitou, entre outras coisas, mais de 350.000 autorizações de trabalho para refugiados sírios.

Uma vida precária

No entanto, existem ainda lacunas e desafios que afetam refugiados como Ziad. Os empregos disponíveis para os refugiados são muitas vezes pouco qualificados e temporários, e normalmente apenas em profissões e setores onde os refugiados não competem com os jordanos pelo emprego.

Consequentemente, Ziad tem ganho a vida de forma ténue através de curtos períodos em projetos de construção e em pequenas fábricas. Há dias em que o podemos encontrar numa loja de fabrico de armários e mobiliário nos arredores da capital da Jordânia, Amã - mas a sua autorização de trabalho não lhe permite trabalhar em carpintaria.

"Posso trabalhar nesta empresa em certas áreas, como carregar ou retirar coisas, ou por exemplo, aspirar ou limpar, ou fazer coisas muito simples", diz Ziad. "O setor está muito saturado e as oportunidades são limitadas."

Ziad é um carpinteiro experiente que aprendeu a profissão com o seu pai.

Ziad é um carpinteiro experiente que aprendeu a profissão com o seu pai. © UNHCR/Nisrine Benyahia

A natureza esporádica do trabalho é um desafio para Ziad, que muitas vezes luta para sustentar a sua família - incluindo os pais, a mulher e os dois filhos. Mas recentemente, uma nova ligação fê-lo ter esperança no futuro.

No Fórum Global de Refugiados de 2019, uma organização sem fins lucrativos chamada Talent Beyond Boundaries (TBB) comprometeu-se a ajudar a combinar empresas de todo o mundo com talentos refugiados, levando a salários dignos e oportunidades sustentáveis de progressão na carreira. Desde então, a organização - que foi fundada em 2015 e estabeleceu programas em sete países, incluindo a Jordânia - registou mais de 78.600 candidatos a emprego deslocados no seu "catálogo de talentos" mundial.

Um novo começo

Um deles é Ziad. E não demorou muito para que a TBB o colocasse em contacto com uma oportunidade de carpintaria e construção no leste do Canadá. Ao longo de algumas semanas, Ziad trabalhou com a equipa da TBB no seu escritório em Amã, incluindo Zeina Hyari, Global Relocation Manager.

"Trabalhamos diretamente com os candidatos, um a um, para elaborar os seus currículos, de modo a cumprir as normas internacionais de recrutamento", afirmou Zeina. "Esta é uma oportunidade para os refugiados trabalharem legalmente nas suas áreas, sem quaisquer restrições ou limitações."

Zeina Hyari, Global Relocation Manager da Talent Beyond Boundaries, encontra-se com Ziad e outro refugiado sírio.

Zeina Hyari, Global Relocation Manager da Talent Beyond Boundaries, encontra-se com Ziad e outro refugiado sírio. © UNHCR/Nisrine Benyahia

"Honestamente, os funcionários da TBB foram muito prestáveis e motivaram-me", acrescentou Ziad. "Ajudaram-me a apresentar uma candidatura, prepararam-me para uma entrevista [...] Fui selecionado, enviaram-me a oferta e depois assinei o contrato com eles. Mesmo depois de me terem oferecido um emprego, ligaram-me e deram-me os parabéns".

A TBB está atualmente a trabalhar com Ziad, e com vários outros refugiados com competências em carpintaria e construção, para finalizar os vistos de trabalho e outros pormenores antes de poderem viajar para o Canadá.

São necessários mais empregadores

Desde a sua promessa em 2019, a TBB ajudou a combinar mais de 1.200 refugiados com oportunidades de trabalho sustentáveis no exterior, e planeia emparelhar pelo menos mais 15.000 refugiados com empregos nos próximos cinco anos. A TBB fez uma nova promessa para alargar o seu compromisso - e apelar a potenciais empregadores em todo o mundo - no segundo Fórum Global para os Refugiados em Genebra, na Suíça, de 13 a 15 de dezembro de 2023.

Zeina Hyari é Gestora Global de Deslocalização na Talent Beyond Boundaries em Amã.

Zeina Hyari é Gestora Global de Deslocalização na Talent Beyond Boundaries em Amã. © UNHCR/Nisrine Benyahia

"Temos uma grande reserva de refugiados altamente qualificados, mas precisamos que os empregadores do outro lado se comprometam a contratar esses refugiados", explicou Zeina. "Noventa por cento dos candidatos que foram recolocados relataram que a sua qualidade de vida melhorou. Setenta por cento afirmaram que enviam remessas de dinheiro para os seus amigos e familiares que enfrentam dificuldades financeiras. Este é um resultado vantajoso para os empregadores, para os refugiados e suas famílias e para os países de acolhimento com poucos recursos".

Enquanto se prepara para a nova oportunidade que lhe vai mudar a vida, Ziad tem uma mensagem para os potenciais empregadores:

"Os refugiados [...] sempre dependeram de si próprios. Quando uma pessoa tem falta de recursos, terá grandes sonhos e procurará de todas as formas possíveis alcançá-los."

Notícias relacionadas

Help refugees

  1. ACNUR
  2. Notícias Refugiados
  3. Programa vantajoso para ambas as partes liga refugiados qualificados da Jordânia a empresas estrangeiras