Refugiado congolês transforma resíduos de plástico num negócio lucrativo Refugiado congolês transforma resíduos de plástico num negócio lucrativo

Refugiado congolês transforma resíduos de plástico num negócio lucrativo

2 de maio, 2024

Tempo de leitura: 4 minutos

Compartilhar

O negócio de reciclagem de Raphael Basemi está a dar emprego a outros refugiados e à comunidade de acolhimento e a ajudar a preservar o ambiente no campo de Kakuma, no Quénia.

Raphael Basemi percorreu um longo caminho desde que chegou ao campo de Kakuma, no Quénia, em 2009, com apenas um saco de roupa e os seus certificados de escolaridade.

O refugiado congolês gere agora a maior empresa de reciclagem liderada pela comunidade no campo, proporcionando centenas de empregos a outros refugiados e a membros da comunidade local.

“Quando olho para este plástico, vejo um material precioso, uma oportunidade de emprego para a minha comunidade, uma fonte de riqueza e uma hipótese de sustentar a minha família”, afirma.

Raphael passou os seus primeiros seis anos no campo a trabalhar como professor. Mais tarde, em 2013, fundou a FRADI (Fraternidade para o Desenvolvimento Integrado), uma empresa social de base comunitária que promove a proteção ambiental e os meios de subsistência dos refugiados e da comunidade de acolhimento em Kakuma.

“Apercebemo-nos de que existia uma barreira linguística entre os refugiados”, disse o pai de dois filhos, de 31 anos. “Começámos a ensinar swahili à comunidade somali e inglês à comunidade francófona. E depois começámos a ensinar competências técnicas como cabeleireiro, carpintaria e soldadura.”

Foi enquanto estudava para obter um diploma de Gestão de Empresas na capital, Nairobi, que teve a ideia de um projeto de reciclagem que lhe permitiria gerar rendimentos para sustentar a sua família e preservar o ambiente.

Quando a pandemia de COVID-19 chegou, regressou ao campo e iniciou o projeto como piloto. Fez uma extensa pesquisa sobre as políticas que regem a gestão de resíduos e a forma como estas afetam os refugiados que pretendem aventurar-se nesta área.

A comunidade une-se

“Quando tive a ideia para este projeto [de reciclagem], sentei-me com os meus vizinhos e falei-lhes do meu plano”, diz ele. “Alguns abraçaram a ideia e apoiaram-me. Alguns não perceberam porque é que eu queria recolher o lixo e empilhá-lo na nossa comunidade, mas deram uma ajuda de bom grado.”

Os líderes da comunidade local estavam prontos para apoiar a iniciativa e, quando ele pediu voluntários, recebeu uma resposta esmagadora, com mais de 2.000 candidatos.

“O primeiro mês [no início de 2020] foi um período de tentativa e erro. Não tínhamos dinheiro para pagar aos coletores. Ao fim de um mês, alguns desistiram, mas isso não me impediu”.

O apoio do Governo do Condado e do Departamento de Serviços aos Refugiados no Quénia (DRS) chegou mesmo a tempo - Raphael recebeu três centros de recolha de plástico para gerir no campo de refugiados de Kakuma e um no assentamento vizinho de Kalobeyei.

Membros da FRADI (Fraternidade Desenvolvimento Integrado), a empresa social criada por Raphael Basemi no campo de refugiados de Kakuma, no Quénia.

Membros da FRADI (Fraternidade Desenvolvimento Integrado), a empresa social criada por Raphael Basemi no campo de refugiados de Kakuma, no Quénia.

“Foi uma viagem longa e difícil para formar voluntários em reciclagem, criar estruturas e encontrar um vendedor para o plástico triturado”, diz Raphael.

ACNUR e outros parceiros ajudaram Raphael a abrir uma loja no Centro de Incubação de Kakuma - uma iniciativa de desenvolvimento económico financiada pelo ACNUR que apoia empresas em fase de arranque. Aí vende artigos feitos com o plástico que recicla, como cavilhas, botões, réguas, pratos e copos.

Quando o Governo do Quénia assinou a Lei dos Refugiados em novembro de 2021, que incluía novas políticas significativas sobre a inclusão e integração económica dos refugiados, Raphael conseguiu chegar a empresas maiores que agora recolhem o plástico dele para reciclagem.

Para além de apoiar empresários refugiados como Raphael, o ACNUR está a trabalhar para reduzir os impactos ambientais da sua assistência, nomeadamente através da redução da utilização de plásticos virgens na produção e embalagem dos artigos de socorro que distribui. Atualmente, os cobertores e outros artigos são fabricados com 100 por cento de plástico reciclado.

Um mundo sem plástico

Nos últimos três anos, Raphael criou mais de 500 postos de trabalho para refugiados e para a comunidade local, permitindo-lhes obter um rendimento e sustentar as suas famílias. Também expandiu as suas operações para a gestão de resíduos sólidos, lidando com todos os tipos de resíduos, incluindo ossos, vidro, metal e resíduos orgânicos.

“As pessoas conhecem-me como ‘Raphael Plastic’ ou ‘Plastic Man’”, ri-se. “Quando vejo os voluntários a trazerem o plástico que recolheram, vejo uma comunidade que se está a unir por uma causa maior.”

Apesar dos desafios inerentes ao facto de ser um empresário refugiado, como a impossibilidade de aceder a serviços financeiros, Raphael continua otimista quanto ao futuro do seu negócio e ao seu potencial para ajudar a criar uma economia circular em Kakuma e em Kalobeyei.

Parte da sua motivação advém do facto de imaginar as consequências para o ambiente se não houvesse reciclagem de plástico. “Não consigo sentar-me e imaginar um mundo assim”.

  1. ACNUR
  2. Notícias Refugiados
  3. Refugiado congolês transforma resíduos de plástico num negócio lucrativo